sábado, 21 de novembro de 2009

Tecnologia na sala de aula





Ultimamente, há muitos discursos sobre a importância de se utilizar recursos audiovisuais em sala de aula, pois os alunos estão em busca da internet, do vídeo-game, do DVD, dos jogos em rede quando estão de fora da mesma. Logo, as crianças e jovens estão habituados em um contexto em que a tecnologia computadorizada está em voga e o professor que não se adaptar, ficará para trás. A conseqüência disso pode ser uma sala desmotivada e indisciplinada.


Contudo, devemos nos ater à tecnologia digital como uma estratégia pedagógica adicional e, portanto, não é necessário que esteja em todas as aulas. Mas o que fazer quando a escola não tem recursos tecnológicos para serem utilizados? Neste caso, o professor não pode desanimar ou acomodar com aulas apenas de giz e quadro, a não ser que a escola exija. Há outras maneiras de introduzir as linguagens da mídia em sala, basta o educador improvisar e ser criativo.


A tecnologia na sala de aula é muito importante desde que seja bem trabalhada, visando o total aproveitamento dos conteúdos pelo educando. É uma excelente ferramenta à favor do educador.
As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação estão derrubando as paredes das salas de aula das nossas escolas e universidades, fazendo com que professores e alunos ingressem no espaço virtual. O jovem aluno não procura mais o conhecimento bem estruturado e de fácil acesso nos livros didáticos, mas no imenso universo do hipertexto. Diante dessa realidade, o aluno tem que reaprender a estudar e o professor a ensinar



O professor



No século 21, esse papel está se transformando. A função do professor muda de detentor do conhecimento para guia das investigações dos alunos. O novo professor tem que estar preparado para deixar de ser o que apenas fornece informações e trabalhar para ser um orientador, aquele que ajuda a selecionar informações e sabe fazer articulações. O uso da tecnologia em sala de aula é bastante válido no sentido que possibilita um ensino e uma aprendizagem mais criativa, autônoma, colaborativa e interativa. No entanto, o professor ainda, muitas vezes, mantém-se apreensivo e reticente em utilizar a tecnologia em sua aula.


Muitas são as razões para que o professor haja dessa maneira: não saber como utilizar adequadamente a tecnologia nas escolas, não saber como avaliar as novas formas de aprendizagem provenientes desse uso, não saber como usar a tecnologia e, algumas vezes por falta de apoio dos colegas ou da escola para o uso de inovações em sala de aula.


Como será o professor do próximo milênio? Acredito que ele será um estrategista da aprendizagem. Alguém que vai precisar conhecer a psicologia e a ecologia cognitivas de seu tempo (em outras palavras: saber como o aluno aprende), para poder criar estratégias de aprendizagem no ambiente do computador







Tecnologia na sala de aula(vila x mocinha)



A tecnologia vem sendo muito utilizada na sala de aula, hoje a maioria dos professores atribuem a suas aulas métodos que ajudem a aula ser mais dinâmica como exemplos temos: note book, aparelhos de som, data show e entre outros.
Por uma parte a tecnologia em sala de aula pode trazer benefícios ou até mesmo prejudicar o desempenho do aluno, o uso de alguns aparelhos como o celular por exemplo. Algumas escolas já adotaram a proibição do aparelho dentro da sala para evitar o baixo rendimento do aluno. Mesmo assim alunos tentam escapar de certas regras e acabam abusando do uso dos seus “aparelhinhos” .
Sala de aula digital
Correndo contra o atraso tecnológico nas escolas públicas do país, o governo prepara um pacote de inclusão digital para a área de educação. Estão previstas pelo menos cinco ações, com investimentos que superam R$170 milhões. Em março, começará a distribuição de 75.580 computadores de mesa para 7.500 escolas de ensino médio que ainda não possuem laboratório de informática. Em seis cidades, entre elas o Rio, estudantes receberão laptops num projeto-piloto que poderá ser estendido a todo o país. Outra frente é a atualização de computadores doados por empresas para uso nas redes de ensino. Um centro de recuperação funciona em Porto Alegre. Em breve, São Paulo e Distrito Federal ganharão oficinas semelhantes.

O esforço de inclusão digital segue a linha do discurso de posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que assumiu o segundo mandato prometendo informatizar todas as escolas públicas do país. No primeiro mandato, o governo lançou o programa Computador para Todos, que dá isenção fiscal e financiamento para facilitar a compra de equipamentos pela população de baixa renda. Agora o foco é o estudante da rede pública para melhorar a qualidade do ensino.
Rayssa Nóbrega

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário